Número de matrículas em educação integral no ensino fundamental cresceu 139%

Educação Ensino médio

Número de matrículas na educação básica reduziu 1% de 2012 para 2013, segundo o MEC

Foto: Milton Michida/A2 Fotografia Foto: Milton Michida/A2 Fotografia

Da Agência Brasil

Número de matrículas na educação básica reduziu 1% de 2012 para 2013. O número passou de 50,5 milhões em 2012 para 50,04 milhões em 2013. Os dados são do Censo da Educação Básica de 2013 divulgados nesta terça-feira, dia 25, pelo Ministério da Educação (MEC).

Segundo o ministro da Educação, Henrique Paim, a diminuição no número de matrículas se deve à redução da população e a uma melhoria do fluxo, ou seja, da aprovação dos estudantes. A redução maior, de 2,8%, ocorreu nos anos finais do ensino fundamental. Em 2012, havia na etapa 13,6 milhões de estudantes e, no ano passado, 13,3 milhões.

A maior parte das matrículas, 82,6% estão na rede pública de ensino – 0,6% nas escolas federais, 36% nas estaduais e 46% nas municipais – e 17% na rede particular. As porcentagens apresentaram uma pequena alteração em relação ao ano passado, quando 83,5% das matrículas eram na rede pública e 16,5% na particular.

A educação em tempo integral e o ensino infantil foram destaque no censo. Entre 2010 e 2013, o número de matrículas em educação integral no ensino fundamental cresceu 139%, chegando a 3,1 milhões de estudantes. No último ano, o crescimento foi 45,2% nas redes pública e privadas, sendo que apenas na pública houve crescimento de 46,5%. Os números do censo também apontam um aumento de 7,5% de matrículas em creche em relação a 2012, totalizando 2,7 milhões de alunos.

“As ações que o ministério vem empreendendo com estados e municípios estão dando resultado a partir de uma melhoria”, diz Paim. O ministro também disse que não há falta de vagas no ensino de 6 a 14 anos. “No ensino fundamental temos hoje um atendimento na educação em termos universalizado, temos 98% dos estudantes de 6 a 14 anos atendidos. Temos que trabalhar fortemente na educação infantil na creche, na pré-escola e no ensino médio para melhorar esse atendimento”.

Ele acrescenta: “Mas isso não quer dizer que temos falta de vagas. Temos que ampliar e fazer com que o ensino médio seja mais atrativo e que a gente possa matricular mais estudantes no ensino médio”.

Deixe um comentário

  • (não será exibido)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>