Dicas de filme: Billy Elliot fala sobre trabalho e questões de gênero

Mobilização

Filme mostra rapaz que decide fazer aulas de balé, tendo como pano de fundo a luta de trabalhadores contra a retirada de direitos

billy_elliot_jamie_bell_7

Por Natália Lago

O cenário é a Inglaterra de 1984, período em que Margaret Thatcher, então primeira ministra, implantava uma série de políticas conhecidas como “neoliberais” – que implicam, entre outras questões, a retirada de direitos das e dos trabalhadores. Nesse período, ocorreu uma greve de mineradores que mobilizou a muitos e foi bastante reprimida pela polícia; entre os trabalhadores mobilizados, estão o pai e o irmão de Billy Elliot. A família, ainda formada pela avó, mora em uma pequena casa e passa, como o filme faz questão de demonstrar, por sérias dificuldades financeiras. São pobres em um contexto de luta por direitos trabalhistas.

Billy é um garoto de 11 anos que vai à escola, tem amigos, escuta os discos do irmão, cuida da avó e pratica boxe – mas não é lá muito bom nisso. Após acompanhar uma das aulas de balé que as garotas faziam na sala ao lado do ginásio de boxe, ele se interessa em aprender a dançar e passa a frequentar as aulas – a despeito da ideia de que balé é “coisa de menina” ou “coisa de viado”, motivo pelo qual ele é provocado por uns e outros. Seu amigo, da mesma idade, não vê problema; esse mesmo amigo gosta de vestir as roupas da irmã e usar maquiagem, ações que não trazem conflitos para a sua relação com Billy.

Quando o pai de Billy descobre que o filho está fazendo aulas de balé ele o proíbe, sob as mesmas justificativas que associam a prática a uma “coisa de mulher”. Ao longo da história, Billy enfrenta, por um lado, a recusa da família em aceitar que ele dance e a vontade de dar continuidade aos estudos da dança em Londres, e não mais em sua pequena cidade.

Para além das boas atuações, as tiradas cômicas e a ótima trilha sonora, que tem T. Rex e The Clash, o filme dá conta de debater com bastante sensibilidade uma série de questões difíceis como a organização dos trabalhadores em sua luta por direitos e os conflitos (pessoais e coletivos) aí implicados. Mas o central, ao que parece, são as expectativas de gênero e os questionamentos sobre a sexualidade que, articulados, impõem restrições a Billy e ao seu interesse pelo balé.

Por que um rapaz não pode praticar o balé? Por que balé é uma “coisa para meninas”? Por que a masculinidade e a feminilidade são medidas a partir do que as pessoas gostam ou não de fazer? Por que a sexualidade é constantemente acionada em contextos onde a orientação sexual não importa? A sexualidade, para Billy, nem é uma questão colocada. O que vemos é um menino que gosta de dançar e, ao fazer isso, derruba uma série de estereótipos. Em seu esforço para continuar a praticar o balé, Billy demonstra a falta de sentido das premissas que justificam, a partir do gênero, restrições a determinadas práticas para homens ou mulheres.

Billy Elliot

  • Reino Unido / França, 2000
  • Drama – 110 min.
  • Direção: Stephen Daldry
  • Roteiro: Lee Hall
  • Elenco: Jamie Bell, Julie Walters, Gary Lewis, Jamie Draven

 

Um comentário para “Dicas de filme: Billy Elliot fala sobre trabalho e questões de gênero”

Deixe um comentário

  • (não será exibido)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>