O Nobel da Paz e o trabalho das meninas no Brasil

Mobilização

A jovem Malala Yousafzai ganhou o prêmio pela defesa do direito à educação de meninas; no Brasil, 14% das meninas trabalham ou trabalharam

Imagem: Russell Watkins (Creative Commons)

A paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos, e o indiano Kailash Satyarthi venceram o Prêmio Nobel da Paz, anunciado nesta sexta-feira, dia 10.

A ativista paquistanesa era a mais jovem entre os favoritos a receber o prêmio. Kailash Satyarthi, 50 anos, é um indiano que luta contra o trabalho infantil. Malala tornou-se um símbolo reconhecido internacionalmente de resistência aos esforços dos talibãs em negar educação e outros direitos às mulheres.

Aos 11 anos de idade, a indiana Malala chamou a atenção do mundo para as atrocidades cometidas pelo Taleban contra meninas que iam à escola em áreas sob controle da milícia. Sob um pseudônimo, as denúncias eram publicadas no blog da BBC local. Em 2012, talebans atiraram em Malala por ela defender o direito à educação. Após o atentado, ela tornou-se a principal voz mundial em defesa da educação feminina. 

Embora no Brasil as mulheres tenham escolaridade ligeiramente superior à dos homens, as meninas também enfrentam dificuldades no seu percurso de formação. Uma pesquisa da ONG inglesa Plan International mostrou que 14% das meninas de 6 a 14 anos trabalham ou já trabalharam para terceiros.

Dessas, 37% trabalham ou já trabalharam em atividades domésticas; 16,5%,  em lojas e mercados; 7% em serviços relacionados à agropecuária ou à pesca; 6%, em fábricas; e 5%, nas ruas, vendendo coisas, recolhendo material reciclável, vigiando ou limpando carros e em outras atividades informais.

Das meninas que tiveram experiência de trabalho ou estão trabalhando, 9,4% estão em São Paulo.  A pesquisa perguntou também o que é importante para ser feliz. A maioria delas escolheu as alternativas “estudar” e “ter uma vida saudável”.

A pesquisa entrevistou 1.771 meninas de cinco capitais (São Paulo, Porto Alegre, Cuiabá, Belém e São Luís) e outras 16 cidades das cinco regiões do país.

(Com informações da Agência Brasil, da Campanha Nacional pelo Direito à Educação e da Agência Senado)

Deixe um comentário

  • (não será exibido)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>