Entenda como funcionam os bônus nos vestibulares da USP e da Unicamp

Educação Ensino superior

Acréscimo de nota no vestibular busca trazer mais estudantes de escolas públicas para as universidades paulistas

Foto: timlewisnm (Flickr/CC) Foto: timlewisnm (Flickr/CC)

Em 2015, apenas 30% dos estudantes que entraram na USP ou na Unicamp fizeram o ensino médio em escola pública. Na USP, 17,5% dos que entraram eram negros (pretos ou pardos); na Unicamp, o número é ainda menor: 15%. Para comparar: no estado de São Paulo, cerca 85% das matrículas são na rede pública e os negros representam 35% da população.

Para combater essas distorções, existem estratégias de ação afirmativa: são mecanismos que buscam “neutralizar” os efeitos das discriminações por classe social, raça, gênero, etc. As mais conhecidas são a reserva de vagas (cotas) e a pontuação acrescida (bônus). A USP e a Unicamp são as únicas universidades estaduais que optam por este modelo.

A USP e a Unicamp não adotam cotas de forma geral. Recentemente, alguns cursos da USP anunciaram que selecionarão parte dos estudantes pelo Sisu; nesses casos, pode haver cotas, mas é um número muito pequeno. Essas instituições têm programas de inclusão para estudantes de escolas públicas através de bônus.

Movimentos sociais – especialmente o movimento negro – apontam que as políticas existentes até agora são insuficientes para garantir uma maior diversidade nas universidades, principalmente nos cursos mais concorridos. Com o maior índice de candidatos/vaga, a Medicina da USP tem apenas 11,3% de negros e 19% de estudantes de escola pública. “De modo geral, a bonificação não é alcançada, porque se o aluno já tem aquela nota, não precisa do bônus”, explica Felipe Tarábola, doutorando em Educação na USP.

“[E]sse sistema, quando eficaz, comumente resulta em uma distribuição desigual dos candidatos beneficiados entre os cursos: aqueles mais prestigiosos e disputados são pouco tocados pelo sistema de bonificação, enquanto aqueles menos competitivos costumam ser mais impactados por essa modalidade de ação afirmativa”, afirmam João Feres Junior e Verônica Toste Daflon, do Grupo de Estudos Multidisciplinares de Ação Afirmativa, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Gemaa/Uerj), em um artigo sobre as políticas de igualdade racial no ensino superior.

» Estudantes de escola pública têm desempenho melhor na USP

USP

Pelo Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp), o acréscimo varia de 12% a 20% da pontuação obtida pelo estudante. O benefício vale apenas para candidatos que tenham acertado pelo menos 30% das questões da primeira fase. Na primeira fase, o bônus é calculado para saber se o candidato alcançou a nota de corte. A nota final incorpora o bônus para classificação na carreira.

São várias modalidades:

  • Quem fez o ensino médio, mas não o ensino fundamental, em escola pública: 12%
  • Quem fez o ensino fundamental e médio em escola pública: 15%
  • Quem fez o ensino fundamental e médio em escola pública e fez o vestibular como treineiro (Pasusp): 20%
  • Quem fez o ensino fundamental e médio em escola pública e se declara negro ou indígena: 20%

» Site da Fuvest

 

Unicamp

A Unicamp mudou seu Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (PAAIS). A partir deste ano, serão adicionados 60 pontos na primeira fase do vestibular para candidatos que tenham cursado integralmente o Ensino Médio em escolas da rede pública, e mais 20 pontos para candidatos que se autodeclararem pretos, pardos ou indígenas e que também tenham cursado o período integralmente na rede pública. A primeira fase é composta por uma prova objetiva, de conhecimentos gerais, e pela nota do Enem. Os candidatos que passarem para a segunda fase receberão mais 90 pontos na prova de redação e outros 90 nas provas dissertativas. No caso de negros e indígenas que também tenham estudado em escola pública, há mais 30 pontos de bônus na segunda fase, além dos 90, totalizando 120 pontos.

» Site do vestibular da Unicamp

2 comentários para “Entenda como funcionam os bônus nos vestibulares da USP e da Unicamp”

  1. Stephânia

    Boa tarde, se um aluno for matrícula no 1º ano do ensino médio ( um mês), se eu cancelar a matrícula do aluno por não comparecimento e fizer a matrícula dele no ensino público, ele poderá ser beneficiada na cotas ?

    Responder
  2. matheus anderson da silva

    quero saber como funcionara a soma dos pontos dos alunos oriundos de escola publica com a nota final do vestibular da unicamp 2018

    Responder

Deixe um comentário

  • (não será exibido)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>